Programa de Residência

Programa de Residência médica: Neurocirurgia
Tempo total: 5 anos
Pré-requisito: estar cursando o Programa de Residência em Neurocirurgia HCFMUSP ou de instituição conveniada segundo prévio contato
Estágio para Residentes HCFMUSP: 2º e 4º anos

Programa de Estágio: Neurocirurgia Funcional

Avaliação do Residente de Neurocirurgia: Prova escrita, prova prática e conceito (conforme regras da comissão de residência médica FMUSP)

Atividades de residente de 2º ano

Duração: 3-4 meses
Dedicação exclusiva: 60 horas semanais

Atividades Práticas:

  • Atividades de Enfermaria
  • Atender os pacientes internados nas enfermaria do Instituto de Psiquiatria (2o andar e 3o andar – enfermaria Metabólica – quando houver pacientes neurocirúrgicos internados e UTI da Divisão de Neurocirurgia Funcional).
    Ser responsável pela preparação e apresentação dos casos na visita médica geral da Enfermaria da Divisão de Neurocirurgia Funcional

  • Atividades Ambulatoriais
  • Ambulatórios da Divisão de Neurocirurgia Funcional conforme tabela de atividades semanais
    Expectativa de Aprendizado e Responsabilidades

    1. Ser capaz de conduzir o pré e pós operatório de pacientes submetidos aos procedimentos neurocirúrgicos funcionais conforme as peculiaridades de cada procedimento, incluindo ter conhecimento das avaliações necessárias para o paciente ser operado e estar informado dos protocolos de pesquisa que envolvam pacientes internados e cuidados no período pós operatório e rotinas de antibiótico profilaxia atuais.
    2. Ser Capaz de atender um paciente em regime ambulatorial, produzir uma história clínica completa e objetiva assim como proceder o exame neurológico, fazer diagnóstico sindrômico, nosológico, topográfico e eventualmente etiológico das síndromes neurológicas comuns da especialidade. Solicitar exames pertinentes e interpretá-los de acordo com as hipóteses diagnósticas.
    3. Zelar pelo nome da instituição e seu membros assim como o patrimônio físico do hospital.

Objetivos Teóricos

Ter conhecimentos básicos sobre as síndromes neurológicas próprias da espacialidade:

  1. Fisiopatologia e taxonomia da dor: Sensibilização central e periférica, alodínea, hiperalgesia, hiperpatia; neurotransmissores, receptores e mecanismos intracelulares envolvidos na transdução e transmissão da dor e mecanismos plásticos relacionados à cronificação da dor.
  2. Principais síndromes dolorosas crônicas: dor neuropática, dor musculoesquelética, dor relacionada ao câncer, dor facial: desde a apresentação clínica, achados de exame neurológico, diagnóstico diferencial, exames complementares e tratamento medicamentoso.
  3. Tratamento cirúrgico da dor: procedimentos e técnica, indicações e resultados esperados.
  4. Importância da reabilitação no tratamento da dor.
  5. Fisiopatologia e taxonomia da espasticidade: Mecanismos de sensibilização central e periférica. Diferenciação entre padrões de espasticidade por lesão medular e encefálica.
  6. Principais síndromes espásticas: desde a apresentação clínica, achados de exame neurológico, diagnóstico diferencial, exames complementares e tratamento medicamentoso e cirúrgico.
  7. Fisiopatologia e taxonomia dos movimentos anormais: neurotransmissores, receptores e mecanismos intracelulares envolvidos na gênese das síndromes rígido-acinéticas e hipercinéticas.
  8. Principais síndromes rígido-acinéticas e hipercinéticas: Parkinsonismos e diagnóstico diferencial, distonias focais e generalizadas, discinesias faciais: desde a apresentação clínica, achados de exame neurológico, diagnóstico diferencial, exames complementares e tratamento medicamentoso.
  9. Tratamento cirúrgico dos movimentos anormais: procedimentos e técnica, indicações e resultados esperados.
  10. Importância da reabilitação no tratamento dos movimentos anormais.

Avaliação escrita: 3-4 Questões dissertativas no final do período do estágio
Avaliação prática: Serão avaliados durante o estágio (nota 1):

  1. Freqüência
  2. Pontualidade
  3. Desempenho na condução dos casos
  4. Responsabilidade para com os pacientes
  5. Participação em visitas médicas e reuniões científicas
  6. Assistência didática aos internos, residentes e outros profissionais da equipe de saúde
  7. Relação médico-paciente
  8. Relação multiprofissional
  9. Postura ética e capacidade de administrar conflitos
  10. Evolução do conhecimento ao longo do estágio

Prova prática (nota 2)

Em um dos últimos 5 dias do estágio será realizada a prova prática.

A prova será atendimento de um paciente de dor, espasticidade ou movimentos anormais, diagnóstico diferencial, história exame físico e neurológico e indicação do tratamento.

A nota prática será a média aritmética entre os aspectos julgados acima e a prova prática.

Ao final do estágio o residente deve ser capaz de:

Nível: R2

  1. Obter história, exame físico e avaliar a validade de exames complementares de pacientes com as principais síndromes supracitadas.
  2. Indicar e manusear medicamentos para cada condição citada.
  3. Indicar procedimentos cirúrgicos para condições supracitadas e resultados esperados.

Atividades de residente de 4º ano

Duração: 3-4 meses
Dedicação exclusiva: 60 horas semanais

Atividades Práticas

  • Atividades de Enfermaria
  • Orientar o atendimento dos pacientes internados nas enfermaria do Instituto de Psiquiatria (2o andar e 3o andar – enfermaria Metabólica – quando houver pacientes neurocirúrgicos internados e UTI da Divisão de Neurocirurgia Funcional).
    Orientar a preparação e apresentação dos casos na visita médica geral da Enfermaria da Divisão de Neurocirurgia Funcional
    Conhecer em detalhes todos os pacientes internados no complexo HCFMUSP sob assistência do grupo de neurocirurgia funcional.

  • Atividades Ambulatoriais
  • Ambulatórios da Divisão de Neurocirurgia Funcional conforme tabela de atividades semanais

  • Atividades operatórias

  • Ser capaz de indicar e discutir indicações de procedimentos cirúrgicos funcionais comumente realizados na especialidade
    Ser capaz de realizar procedimento de biópsia cerebral ou ressecção de lesão guiada por método estereotáctico e navegação frameless, incluindo a fixação esquelética, esteroimagem, programação computacional e manual dos alvos, realização do procedimento operatório com cuidados de assepsia, coleta de material, ter noção de como lidar com complicações hemorrágicas perioperatórias e preenchimento de dados nos impressos relacionados ao procedimento.
    Ser capaz de assistir procedimentos mais complexos como cirurgias funcionais para tratamento de dor, espasticidade, movimentos anormais e compreendê-los, desde e aplicação de radiofreqüência, estimulação e registro intra-operatórios, medidas de impedância tecidual e seu significado alem da montagem do equipamento necessário para uma cirurgia de rotina.

Expectativa de Aprendizado e Responsabilidades

  1. Ser capaz de conduzir o pré e pós operatório de pacientes submetidos aos procedimentos neurocirúrgicos funcionais conforme as peculiaridades de cada procedimento, incluindo ter conhecimento das avaliações necessárias para o paciente ser operado e estar informado dos protocolos de pesquisa que envolvam pacientes internados e cuidados no período pós operatório e rotinas de antibiótico profilaxia atuais.
  2. Ser Capaz de atender um paciente em regime ambulatorial, produzir uma história clínica completa e objetiva assim como proceder o exame neurológico, fazer diagnóstico sindrômico, nosológico, topográfico e eventualmente etiológico das síndromes neurológicas comuns da especialidade. Solicitar exames pertinentes e interpretá-los de acordo com as hipóteses diagnósticas.
  3. Zelar pelo nome da instituição e seu membros assim como o patrimônio físico do hospital

Objetivos Teóricos

Ter conhecimentos básicos sobre as síndromes neurológicas próprias da espacialidade:

  1. Fisiopatologia e taxonomia da dor: Sensibilização central e periférica, alodínea, hiperalgesia, hiperpatia; neurotransmissores, receptores e mecanismos intracelulares envolvidos na transdução e transmissão da dor e mecanismos plásticos relacionados à cronificação da dor.
  2. Principais síndromes dolorosas crônicas: dor neuropática, dor musculoesquelética, dor relacionada ao câncer, dor facial: desde a apresentação clínica, achados de exame neurológico, diagnóstico diferencial, exames complementares e tratamento medicamentoso.
  3. Tratamento cirúrgico da dor: procedimentos e técnica, indicações e resultados esperados.
  4. Importância da reabilitação no tratamento da dor.
  5. Fisiopatologia e taxonomia da espasticidade: Mecanismos de sensibilização central e periférica. Diferenciação entre padrões de espasticidade por lesão medular e encefálica.
  6. Principais síndromes espásticas: desde a apresentação clínica, achados de exame neurológico, diagnóstico diferencial, exames complementares e tratamento medicamentoso e cirúrgico.
  7. Fisiopatologia e taxonomia dos movimentos anormais: neurotransmissores, receptores e mecanismos intracelulares envolvidos na gênese das síndromes rígido-acinéticas e hipercinéticas.
  8. Principais síndromes rígido-acinéticas e hipercinéticas: Parkinsonismos e diagnóstico diferencial, distonias focais e generalizadas, discinesias faciais: desde a apresentação clínica, achados de exame neurológico, diagnóstico diferencial, exames complementares e tratamento medicamentoso.
  9. Tratamento cirúrgico dos movimentos anormais: procedimentos e técnica, indicações e resultados esperados.
  10. Importância da reabilitação no tratamento dos movimentos anormais.
  11. Conhecimento dos princípios do método estereotáctico e neuronavegação, e entender a disposição dos referenciais para cada método de imagem e suas limitações e possíveis fontes de erros e identificá-los e contorná-los.
  12. Conhecer princípios básicos sobre neuromodulação aplicados à neurocirurgia funcional para tratamento de síndromes neurológicas comuns da especialidade.
  13. Conhecer princípios básicos sobre radiofreqüência, medidas de impedância tecidual, equipamentos necessários para sua aplicação em neurocirurgia funcional para tratamento de síndromes neurológicas comuns da especialidade.
  14. Desenvolver Monografia sobre um tema selecionado pelo assistente responsável ou pelo Professor da Disciplina ou manuscrito científico em língua inglesa orientado para publicação em revistas científica da área.

Avaliação escrita: 3-4 Questões dissertativas no final do período do estágio
Avaliação prática: Serão avaliados durante o estágio (nota 1):

  1. Freqüência
  2. Pontualidade
  3. Desempenho na condução dos casos
  4. Responsabilidade para com os pacientes
  5. Participação em visitas médicas e reuniões científicas
  6. Assistência didática aos internos, residentes e outros profissionais da equipe de saúde
  7. Relação médico-paciente
  8. Relação multiprofissional
  9. Postura ética e capacidade de administrar conflitos
  10. Evolução do conhecimento ao longo do estágio

Prova prática (nota 2)

Em um dos últimos 5 dias do estágio será realizada a prova prática.

A prova será atendimento de um paciente de dor, espasticidade ou movimentos anormais, diagnóstico diferencial, história exame físico e neurológico e indicação do tratamento.

A nota prática será a média aritmética entre os aspectos julgados acima e a prova prática